De acordo com LA Times, Todd Philips aceitaria dirigir uma sequencia de Coringa, caso o novo filme apresentasse uma temática semelhante à do original.

De acordo com Todd Philips, não valeria retornar ao personagem para fazer apenas “um filme louco sobre o Palhaço do Crime” e deveria estar em sintonia com o que é apresentado em Coringa: “muitos filmes são sobre a chama, esse é sobre a pólvora”, afirmou Philips, dizendo que o público se identificou no longa por ele mostrar o que estava oculto na personalidade do vilão e que reviver esse conceito seria “interessante”.

Coringa se tornou a maior bilheteria para uma produção com classificação R em toda a história. Além disso, a produção detém também o recorde de filme de quadrinhos mais lucrativo de todos os tempos.