activity anchor aside attachment audio-mute audio bold book bug cart category chat checkmark close-alt close cloud-download cloud-upload cloud code cog collapse comment day document download edit ellipsis expand external fastforward feed flag fullscreen gallery heart help hide hierarchy home image info italic key link location lock mail menu microphone minus month move next notice paintbrush pause phone picture pinned play plugin plus previous print quote refresh reply rewind search send-to-phone send-to-tablet share show shuffle sitemap skip-ahead skip-back spam standard star-empty star-half star status stop subscribe subscribed summary tablet tag time top trash unapprove unsubscribe unzoom user video videocamera warning website week xpost zoom

Resenha Literária | Guerra do Velho (Editora Aleph)

Guerra do Velho Scalzi CapaQuando John Perry fez 75 anos, ele visitou o túmulo da esposa, falecida já há muitos anos, devido um derrame e se alistou nas Forças de Defesa Coloniais. Fez as despedidas de praxe, se reconciliou com amigos, conversou com o filho e se desfez de suas coisas para embarcar rumo ao desconhecido. Ele e os Velharias, seus amigos, feitos enquanto estavam a caminho de seu treinamento, especulavam sobre o que poderiam encontrar assim que chegassem a Fênix para começar sua instrução e como os médicos poderiam rejuvenescê-los. Tinham apenas teorias, porque nada poderia prepará-los para aquilo.

O primeiro ponto a se destacar nesse romance é sua agilidade narrativa e imersão. É uma leitura difícil de largar, uma vez começada o leitor está dentro da jornada de John Perry com poucas chances de desgostar da trama ou de se entediar. A todo momento, o autor lança perguntas para o leitor, as respostas não tardam e são dadas de modo muito satisfatório o que faz a leitura se mover de maneira leve e muito divertida.

Apesar de toda essa facilidade e diversão, Guerra do Velho não é uma obra descompromissada. Os temas militares são um prato cheio para questões éticas e humanitárias imprescindíveis na formação de qualquer cidadão e Freak. John Scalzi se demonstra ciente disso e, a todo momento, seu livro propõe essas questões ao público.

Para quem gosta de tecnologia e física, o livro vai ser um deleite, pois está cheio de descrições excelentes de armamentos ultramodernos, informações de astrofísica e novos utensílios que, embora não sejam de todo inéditos no mundo da ficção científica, são abordados com um toque de originalidade.

Para quem é mais de humanas, além das já citadas discussões e críticas de cunho filosófico, o livro traz todo um novo universo a ser explorado e habitado por raças alienígenas interessantíssimos que vão desde insetóides de tecnologia inimaginável, até rudes criaturas antropofágicas, cada uma com sua cultura e particularidades religiosas abordadas pelo escritor na medida certa.

O único defeito de Guerra do Velho é não ser maior, eu simplesmente odiei me separar da história, está entre aqueles livros que me fazem ter vontade de ser capaz de esquecer toda a trama só para podê-lo apreciar de inédita. Mais uma vez terei de esperar o lançamento dos outros títulos ambientados nesse universo, é claro, se eles não chegarem até aqui eu os procurarei em inglês mesmo, mas é que vale o aguardo para fortalecer o mercado literário desse nosso Brasil.

Quanto à edição brasileira, lançada pela editora Aleph, preserva o auto padrão de qualidade demonstrado por ela, sobretudo nas traduções e no maravilhoso projeto gráfico apresentado na capa. Além disso, o trabalho de mídia e propaganda da editora é um show a parte, dá orgulho de comprar o livro e só sendo muito desinteressado para não querer ter a edição em mãos depois de dar uma conferida nas redes sociais e no canal de youtube da Aleph.

Trashcast 01 | Hannibal

O Maquina Nerd categoricamente apresenta o podcast parceiro “Trashcast” como o nome mesmo já se propõe a explicar, esse é um podcast descontraído que fala sobre cinema, quadrinhos, séries, games.

E no seu episódio de estreia decidimos falar sobre o Personagem Hannibal Lecter em todas as mídias que ele já apareceu, pedimos desculpas (desde já) pois este episódio foi gravado há um ano e maio atrás.

Participantes: Jefferson Alves, Vinicius Galvino e Andressa Russo.

H. P. Lovecraft | 20 curiosidades sobre o autor e sua obra!

Já fazem 79 anos desde a morte deste gênio dos contos de terror, e suas assombrosas histórias ainda continuam dando pesadelos para os mais diversos leitores de suas obras! Cthulu e suas criaturas, Alan Poe e sua amizade, sua imaginação que permeava distintas localidades de seu subconsciente fizeram sua escrita ser majestosa. Existe um antes e depois de H. P. Lovecraft.

Adiante segue uma lista de fatos e curiosidades sobre esse autor que modificou o gênero de terror e serviu de inspiração para tantos escritores que amamos hoje em dia.

  • Lovecraft foi diagnosticado, ainda criança, com uma doença raríssima chamada poiquilotermia, que é comum em animais de chamado “sangue-frio”, ela causa uma reação em seu corpo, não permitindo que tenha uma regulagem de temperatura corporal normal, por essa razão, seu corpo era sempre frio ao toque.
  • Ele escreveu uma história de terror e magia para o famoso mágico Harry Houdini, chamada de “Sob as Piramides” e também conhecida como “Impressionado com os Faraós”.
  • Muitas de suas obras tem inspiração em seus próprios pesadelos, dá pra imaginar que ele não tinha uma noite de sono tranquila… isso parece ser realmente perturbador, ficar preso em um plano astral com Cthulhu e seus filhos, no éter do inferno. Pense nisso…
  • Depois de seu divorcio o autor passou por seu mais ávido momento de escrita, nessa época ele escreveu “O Caso de Charles Dexter Ward”, seu único romance. Nesse período ele fez muitas amizades epistolares (somente por cartas), ele passou a se corresponder bastante com Robert E. Howard, o criador de Conan – O Bárbaro.

Robert

  • Muitas das melhores histórias de Conan – O Bárbaro contêm inúmeras referências à personagens criados por Lovecraft, em algumas, chega mesmo a aparece uma personagem que é meio deus e meio demônio, referência à série Cthulhu Mythos.
  • Lovecraft criou também um dos mais famosos e explorados artefatos das histórias de terror, o Necronomicon, um fictício livro de invocação de demônios escrito pelo, também fictício, Abdul Alhazred, sendo até hoje popular o mito da existência real deste livro, fomentado especialmente pela publicação de vários falsos Necronomicons e por um texto, da autoria do próprio Lovecraft, explicando a sua origem e percurso histórico.
  • Depois da morte de uma de suas tias e após saber do suicídio de seu amigo Robert E. Howard, sua doença de câncer no intestino já estava bem avançada, depois de não conseguir suportar mais as dores, se internou no Hospital Memorial Jane Brown e cinco dias depois veio a falecer.

H P Lovecraft

  • Lovecraft foi o autor de “O horror sobrenatural na literatura”, que ainda é o mais importante ensaio sobre o gênero, mesmo tendo se passado mais de setenta anos da sua publicação; o surgimento, posteriormente, de autores como Robert Bloch e Stephen King não alteram este fato.
  • O escritor já teve sua maior criação retratada nos quadrinhos do Hellboy. Na verdade, várias foram as ocasiões onde seu personagem foi abordado, mas uma dessas foi está icônica batalha do anti herói contra Cthulhu.

H P Lovecraft

  • Neonomicon é uma história feita por Alan Moore baseada nos contos de Lovecraft, nela misteriosos assassinatos atraem a atenção do FBI e durante as invetigações coisas estranhas acontecem. Com arte final de Jacen Burrow Neonomicon é um pesadelo lovecraftiano que te deixa com medo de fechar os olhos, mas com mais medo ainda de abri-los. Foi lançado no Brasil pela Editora Panini em agosto/2012.
  • Em Supernatural no episódio 21 da sexta temporada o autor é mencionado como um dos responsáveis por abrir as portas do purgatório. O episódio reúne personagens reais ao enredo fictício.

h p lovecraft em supernatural

  • Os Simpsons já tiveram em seus episódios a participação de Lovecraft e Cthulhu em “A casa na árvore dos horrores parte 24” da 25ª temporada, eles aparecem na entrada especial do episódio. Você pode assistir o ep. completo clicando no link.
  • O anime Kishin Houkou Demonbane desenvolvido pela Nitroplus e exibido no Japão em 2006 utiliza elementos das histórias lovecraftianas em seu enredo como o necronomicon que é interpretado pela personagem Al Azif.
  • A banda britânica Arctic Monkeys cita Lovecraft na musica “You’re So Dark”.
  • A banda americana Metallica baseou-se nas obras de Lovecraft para compor as letras de ”The Thing That Should Not To Be”, ”All Nightmare Long” e o título de seu renomado instrumental ”The Call of Ktulu”.

metallica e h p lovecraft

  • Em 2010 a gravadora Voidhanger Records lançou uma coletânea chamada Tribute to H.P. Lovecraft – Gate 1: Yogsothery – Chaosmogonic Rituals of Fear, contendo músicas executadas pelas bandas Jääportit, Umbra Nihil, Aarni e Caput LVIIIm. As letras de todas as composições abordam como temática os mitos de Chtulu, o ocultismo, a literatura e o horror.
  • Sandy Petersen, o designer responsável pelo segundo e terceiro episódio do game Doom, era um leitor ávido de Lovecraft e incorporou técnicas de desconforto e surrealismo em seus mapas. Também adicionou referências do gênero em Quake.
  • Em Castlevania: Symphony of the Night  Cthulhu é um dos monstros a ser derrotado por Alucard.

Castlevania

  •  A localidade Dunwich Building de Fallout 3 é uma referência a obra de Lovecraft “Terror em Dunwich” e a criatura mencionada nos Holodisks do local, Alhazred, é uma referência ao último nome do autor do livro Necronomicon, Abduhl Alhazred.
  • Também há uma ligação direta com o modo “Zombies” da serie Call of Dut, apesar de poucos saberem mas a entidade cósmica Cthulhu é o culpado de todo o caos no modo de jogo.

 

ELAS DÃO VIDA A TUDO | FRANKENSTEIN

unnamedSabe do que elas são capazes? Que tal mudar a história da literatura e deixar um legado que segue influenciando a arte e a cultura pop 200 anos após sua criação? Mary Shelley tinha apenas 19 anos quando escreveu Frankenstein, marco do terror e da ficção científica.

Empoderada desde o berço, Shelley era filha de ninguém menos que Mary Wollstonecraft, a autora do primeiro tratado feminista da história, “A Reivindicação dos Direitos da Mulher”, de 1792! Mary Shelley foi uma estudiosa de filosofia e ciências, além de defensora do amor livre – 150 anos antes de Woodstock.

Mulheres como Mary Shelley inspiram. Revolucionam. Dão vida a tudo. E merecem destaque. A DarkSide® Books prepara uma edição digna da obra-prima de Mary Shelley para o segundo semestre de 2016.

FRANKENSTEIN é o primeiro título da coleção Medo Clássico DarkSide®. E uma homenagem a todas as nossas autoras, leitoras e mulheres que transformam diariamente o mundo. Deveríamos ter 365 Dia Internacionais das Mulheres.

 

DarkSide Books | Batman: Arkham Knight

Era inevitável: o Cavaleiro das Trevas e a DarkSide® Books acabam de unir forças. E já podemos avistar o bat-sinal do que vem por aí: uma das mais sombrias aventuras do eterno Homem-Morcego.

Batman: Arkham Knight é a adaptação literária oficial do game que conquistou fãs e críticos em 2015. Uma parceria entre a DC Comics, a Warner e a DarkSide® Books que virá com aquele padrão quase psicopata de qualidade que os fãs brasileiros merecem.

Se você já jogou Arkham Knight, prepare-se para reviver a história com uma resolução muito maior que a de qualquer console ou pc: a da sua imaginação. As páginas do romance têm adrenalina de sobra, e mesmo quem não é íntimo dos videogames vai se sentir explorando os becos escuros de Gotham City.

Tudo começa um ano após a morte do Coringa. A cidade, que havia se transformado num hospício a céu aberto, finalmente volta à sua rotina normal. Mas é claro que a paz não pode ser duradoura em uma metrópole que esconde vilões como CharadaPinguim, Arlequina e Duas Caras.

Desta vez, quem inicia uma nova onda de terror é o insano Espantalho. Na noite do Dia das Bruxas (31 do outubro, aniversário da DarkSide® Books!), o vilão detona um ataque químico para demonstrar o poder de sua toxina do medo. Os infectados sofrem delírios terríveis e, em seu desespero, acabam matando uns aos outros. Quase 6 milhões de habitantes fogem às pressas. Mas um certo herói jamais deixaria sua cidade natal à mercê dos bandidos.

Com o apoio de Robin, Oráculo, Asa Noturna, Alfred e do comissário Gordon, Batman parte para a batalha. Munido de inteligência dedutiva, resistência física invejável e aparatos tecnológicos que nem os exércitos mais bem armados do mundo têm acesso, Bruce Wayne não necessita de superpoderes – o que não significa que essa vai ser uma tarefa fácil…

Dois inimigos fatais surgem para desafiar o Homem-Morcego. O primeiro é o misterioso

Cavaleiro de Arkham – um assassino com habilidades e armadura tão semelhantes às do herói mascarado que é quase como se Batman enfrentasse um clone. E para desequilibrar ainda mais essa luta, o segundo inimigo surge do nada. Mas ele não estava morto? O Coringa está de volta… ou é só um delírio? Descubra nas páginas de Batman: Arkham Knight. Pronto para jogar?

Exibindo Batman-Arkham-Knight-DarkSide-Capa-Web.pngExibindo Batman-Arkham-Knight-DarkSide-Capa-Web.png

____

Eu com certeza vou querer uma cópia desse livro. Além de prometer ser um adaptação fantástica, ele esta lindo demais!

Acompanhe as novidades pelos os links abaixo. O livro estará nas livrarias a partir deste mês 😉

Lembrando que a loja DC Comics Brasil é parceira do Máquina Nerd e você pode usar o cupom MAQUINA&DC para ganhar 10% de desconto em toda a loja. Aproveite! 😀

Dark Side | American Crime Story: O Povo Contra O.J. Simpson

Ele construiu sua reputação escapando dos adversários. Mas dos campos de futebol americano para as rodovias de Los Angeles, muita coisa aconteceu. Agora era a polícia que corria atrás dele. O derradeiro touchdown de O.J. Simpson seria a bordo de uma caminhonete Ford Bronco, durante a via satélite para todo o mundo.

Vinte anos depois, é fácil enxergar O.J. Simpson apenas como um assassino frio que escapou das mãos da Justiça. Mas é preciso entender a dimensão daquele garoto de origem humilde, que saiu de um conjunto habitacional em São Francisco para virar símbolo do sonho americano. O.J. não era um réu qualquer.

Craque recordista da NFL, a liga de futebol americano, o ídolo O.J. estava acima do bem e do mal. Seria pouco compará-lo ao goleiro Bruno, condenado pelo desaparecimento da mãe de seu filho. Simpson era o equivalente a Pelé, Messi ou Neymar em seu país. Figura carismática, O.J. atuou em diversos filmes de sucesso, como O Inferno na Torree Corra que a Polícia Vem Aí. Ícone da cultura pop, foi garoto-propaganda de diversas marcas populares dos EUA e por pouco não ganha de Arnold Schwarzenegger o papel de protagonista em O Exterminador do Futuro.

Tente agora imaginar a comoção que um país inteiro sentiu ao ver um herói do porte de O.J. ser acusado de um crime tão brutal: o assassinato de sua esposa, Nicole Brown, e do amigo dela, Ronald Goldman, a facadas. Em 13 de junho de 1994, tinha início um dos mais infames casos da história criminal dos Estados Unidos.

American Crime Story: O Povo Contra O.J. Simpson é o mais completo livro sobre o caso,e foi escrito por Jeffrey Toobin, repórter que cobriu o julgamento para a revista New Yorker. Mesmo partindo do princípio que Simpson era culpado, o livro apresenta informações minuciosas que ajudam a desvendar por que O.J. foi inocentado naquele grande circo que virou seu julgamento.

E que julgamento! Os autos totalizaram mais de 50 mil páginas e 1 milhão de linhas escritas. Durante 372 dias, foram ouvidas 133 testemunhas. Tudo isso está registrado em American Crime Story: O Povo Contra O.J. Simpson.

Um gigantesco evento da mídia global, acompanhado por mais de 20 milhões de espectadores – recorde superior à chegada do homem à Lua –, aquele foi um dos primeiros casos de tribunal a utilizar a moderna ciência forense como parte das evidências. Se hoje você curte CSI, acredite, tudo começou para valer no caso O.J.

Os fãs de histórias investigativas vão conhecer todos os detalhes em American CrimeStory: O Povo Contra O.J. Simpson, livro que a DarkSide® Books lança como parte de sua coleção Crime Scene, que promete grandes surpresas – e muito suspense – para 2016.

American Crime Story: O Povo Contra O.J. Simpson chega bem a tempo de acompanhar a estreia de American Crime Story, série da Fox com roteiro adaptado do livro de Jeffrey Toobin. As duas primeiras temporadas da série criada por Ryan Murphy – o genial criador de American Horror Story, Glee e Scream Queens – contam a história de O.J. Simpson, com Cuba Gooding, Jr. e John Travolta nos papéis principais.

Assista à série, mas não deixe de ler o livro. Só nas páginas de American Crime Story: O Povo Contra O.J. Simpson você tem acesso a todos os detalhes e consegue entender os divergentes pontos de vista de todos os personagens reais do crime que chocou o mundo.

Não se esqueça de acompanhar a DarkSide nas redes sociais:

Game of Thrones | Novo livro atrasa e série vai dar spoilers da obra

Em um post que podemos considerar no mínimo comovente eu seu Not a Blog, Martin escreveu uma definitiva e sincera consideração sobre como está tendo dificuldades para escrever o sexto livro de As Crônicas de Gelo e Fogo. Ele admite que perdeu todos os prazos que seus editores estipularam para ‘The Winds of Wnter’, que o livro não sairá antes da sexta temporada de Game of Thrones e que está se sentindo extremamente pressionado, o que acabou levando-o a ter problemas com a escrita.

Abaixo, o relato completo traduzido:

Quando esse post ainda era extremamente longo, antes do Live Journal perdê-lo, eu o abri com uma fala de Dickens, “Foi o melhor dos tempos, foi o pior dos tempos.” Assim foi 2015 para mim. Passei a maior parte do dia reescrevendo (como sumários de Cliff Note) os meus “melhores dos tempos”, todas as coisas maravilhosas que aconteceram para mim em 2015, os prêmios, as publicações, as listas dos mais vendidos, os convenções e as festas, viagens, todos os incríveis novos projetos em andamento na HBO, aqui mesmo em Santa Fé. Mas, inevitavelmente, isso me leva ao meu “pior dos tempos”, o que é consideravelmente menos divertido de escrever sobre, por isso, perdoe a minha relutância em fazê-lo.

Vocês queriam uma atualização. Aqui está a atualização. Vocês não irão gostar.

The Winds of Winter não está pronto.

Acredite, não senti prazer a digitar essas palavras. Você está decepcionado, e não está sozinho. Meus editores e publishers estão decepcionados, a HBO está decepcionada, meus agentes e editores estrangeiros e tradutores estão decepcionados … mas ninguém poderia estar mais desapontado do que eu. Há meses eu queria nada mais do que poder dizer: “Eu concluí e entreguei The Winds of Winter” em 2015 ou no último dia de 2015.

Mas o livro não está pronto.

Também não é provável que esteja pronto amanhã, ou na próxima semana. Sim, há muita coisa escrita. Centenas de páginas. Dezenas de capítulos. (Aqueles artigos que diziam ‘nenhuma página foi escrita’ eram loucos, o típico jornalismo lixo de internet que aprendi a desprezar). Mas ainda há um monte de coisas para escrever. Estou meses longe… e isso se a escrita for bem. (Às vezes ele vai. Às vezes isso não acontece.) Capítulos ainda precisam ser escritos, é claro… mas também reescritos. Eu sempre reescrevo, às vezes é apenas polimento, às vezes são grandes reestruturações.

Acho que eu poderia simplesmente dizer: “Desculpe, rapazes e moças, ainda estou escrevendo,” e deixar por isso mesmo. “Estará pronto quando estiver pronto .” Que é o que tenho feito mais ou menos, desde… bem, sempre. Mas com 6ª temporada de Game of Thrones se aproximando, e tantos pedidos de informação borbulhando, vou quebrar minhas próprias regras e dizer um pouco mais, uma vez que parece que centenas dos meus leitores, talvez milhares ou dezenas de milhares, estão muito preocupados com essa questão de “spoilers” e da série passar livros, revelando coisas que ainda não foram reveladas neles, etc.

Meus editores e eu estivemos cientes dessas preocupações, é claro. Discutimos algumas delas na última primavera, conforme a quinta temporada da série da HBO estava sendo exibida, e tínhamos um plano. Todos nós queríamos que sexto livro de As Crônicas de Gelo e Fogo saísse antes de sexta temporada da série da HBO ir ao ar. Supondo que a série retornasse no início de abril, The Winds of Winter seria publicado antes do final de março, o mais tardar. Para que isso acontecesse, os meus editores me disseram que o manuscrito concluído seria necessário antes do final de outubro. Isso parecia muito possível para mim… em maio. Então, me deram o primeiro prazo: Halloween.

Infelizmente, a escrita não aconteceu tão rápidamente ou tão bem como eu teria gostado. Você pode culpar minhas viagens ou os meus posts ou as distrações de outros projetos e o Cocteau, mas talvez tudo isso teve um impacto… Você pode culpar a minha idade, e talvez isso também tenha um grande impacto… mas, verdade seja dita, às vezes a escrita vai bem e às vezes não, e isso é uma verdade para mim desde os meus 20 anos. E com a primavera chegou o verão, e eu estava tendo mais dias ruins do que bons. Em agosto eu tive que encarar os fatos: eu não terminaria no Halloween. Não consigo dizer o quão profundamente essa percepção me deixou deprimido.

No início de agosto me vi viajando para o leste, para o casamento do meu sobrinho, e em uma aparição para a Staten Island Direwolves. Aproveitei a visita para sentar com meus editores e disse-lhes que eu não achava que poderia entregar algo no Halloween. Eu pensei que eles ficariam furiosos… mas tenho que dizer, meus editores e publishers são ótimos, e eles receberam a notícia com uma serenidade surpreendente. (Talvez eles soubessem disso antes que eu). Eles já tinham um plano. Tinham feito planos para acelerar a produção. Se eu pudesse entregar WINDS OF WINTER até o final do ano, eles me disseram, ainda poderiam conseguir lançá-lo antes do final de março.

Eu fiquei imensamente aliviado. Tinha dois meses inteiros extras! Eu poderia fazer isso, certamente. Agosto foi um mês insano, muita viagem, muitas outras obrigações… mas eu teria setembro, outubro e, agora, novembro e dezembro também. Mais uma vez eu estava confiante de que eu poderia fazê-lo.

Aqui está ele, o primeiro de janeiro. O livro não está pronto, não está entregue. Não há palavras para mudar isso. Eu tentei, prometo a vocês. Eu falhei. Eu estraguei o prazo do Halloween, e também joguei fora o prazo do fim de ano. E isso quase certamente significa que não, livro não será publicado antes da sexta temporada de Game of Thrones que estreia em abril (meados de abril, sabemos agora, não no início de abril, mas essas duas semanas não irão me salvar). Mesmo na época do meu aniversário e nossa grande vitória no Emmy, eu ainda pensava que eu poderia conseguir… mas os dias e semanas voaram mais rápido do que a pilha de páginas cresceu, e (como costumo fazer) eu ficava cada vez mais descontente com algumas escolhas que eu tinha feito e comecei a revê-las… de repente era outubro, e, em seguida, novembro… e conforme a suspeita que eu não conseguiria terminar crescia,  a melancolia chegou, e eu me encontrei com ainda mais dificuldades. Quanto menos dias eu tinha, maior o stress, e mais lento o ritmo da minha escrita se tornou.

Olha, eu sempre tive problemas com prazos. Por alguma razão, eu não respondo bem a eles. Em novembro, quando viajei para a Universidade Northwestern para aceitar meu Prêmio Alumni, eu disse aos estudantes que foi por isso que eu comecei a escrever ficção em vez de conseguir um emprego em uma redação. Eu sabia que os prazos diários me matariam. Isso foi uma piada, é claro… mas havia verdade nela também. Eu escrevi o meu primeiro romance, Morte da Luz, sem contrato e sem um prazo. Ninguém sequer sabia que eu estava escrevendo um romance até que eu enviei o livro concluído para Kirby. Eu escrevi Sonho Febril da mesma maneira. Eu escrevi a THE ARMAGEDOM RAG da mesma maneira. Sem contratos, sem prazos, ninguém esperando por isso. Escrevi no meu próprio ritmo e entreguei quando terminei. Isso é realmente como me sinto mais confortável, mesmo agora.

Mas eu não vou dar desculpas. Não há desculpas. Não há ninguém para culpar. Não é culpa dos meus editores, não é culpa da HBO, e não é culpa de David & Dan. Isso é sobre mim. Eu tentei, e ainda estou tentando. Eu trabalhei no livro alguns dias atrás, revisando um capítulo do Theon e acrescentando material novo, e vou escrever sobre isso de novo amanhã. Mas não, eu não posso dizer quando isso estará pronto, ou quando ele será publicado. Melhor palpite, baseado em nossas conversas anteriores, é que a Bantam (e, presumivelmente, minha editora britânica também) terá a versão em capa dura no prazo de três meses após a entrega, se os horários deles permitirem. Mas quando a entrega será feita, eu não posso dizer. Eu não estou tentando definir outra data-limite que não irei cumprir. Prazos só conseguem me deixar estressado.

Estou voltando para a minha posição de março passado, antes de tudo isso acontecer. Ele estará pronto quando estiver pronto. E vai ser tão bom quanto minha capacidade permitir.

Dito tudo isso, eu sei que o que estão se perguntando, porque centenas de vocês já me perguntaram. Será que a série dará ‘spoilers’ dos livros?

Talvez. Sim e não. Olha, eu nunca pensei que a série poderia alcançar com os livros, mas aconteceu. O série andou mais rápido do que eu esperava e eu andei mais lentamente. Haviam outros fatores também, mas esse foi o principal. Mas agora que estamos aqui, inevitavelmente, haverão algumas reviravoltas e revelações na história da sexta temporada de Game of Thrones que ainda não aconteceram nos livros. Durante anos, os meus leitores têm estado à frente dos telespectadores. Este ano, para algumas coisas, o contrário será verdade. Como você pretende lidar com isso… hey, isso é com você. Olha, eu li o romance The Martian do Andy Weir antes de ver o filme. Mas eu vi a produção da BBC de Jonathan Strange & Mr. Norrell antes de ler o romance da Susanna Clarke. Em ambos os casos, eu amei o livro e eu amei a adaptação. Não precisa ser um ou o outro. Você pode preferir um ou o outro, mas você ainda pode desfrutar pra caramba ambos.

Claro, há um aspecto sobre nossa situação que não se aplicava aos casos de Weir ou Clarke. Esses romances foram terminados antes de serem adaptados e filmados. O caso de Game of Thrones e As Crônicas de Gelo e Fogo é talvez único. Eu não consigo pensar em nenhum outro caso em que o filme ou programa de TV saiu enquanto o material de fonte ainda estava sendo escrito. Então, quando você me perguntar, “será que a série irá estragar os livros”, tudo o que posso fazer é dizer: “sim e não”, e murmurar mais uma vez sobre o efeito borboleta. Essas belas borboletinhas têm crescido e se transformado em poderosos dragões. Alguns dos ‘spoilers’ que você pode encontrar na sexta temporada podem não ser spoilers coisa alguma… porque a série e os livros têm divergido, e continuarão a fazê-lo.

SE VOCÊ NÃO VIU TODAS AS CINCO TEMPORADAS E LEU TODOS OS CINCO LIVROS, PARE AQUI!

Basta considerar. Mago, Irri, Rakharo, Xaro Xhoan Daxos, Pyat Pree, Pyp, Grenn, Sor Barristan Selmy, Rainha Selyse, Princesa Shireen, Princesa Myrcella, Mance Rayder, e Rei Stannis estão todos mortos na série, vivos nos livros. Alguns deles irão morrer nos livros, bem, sim … mas não todos eles, e alguns podem morrer em momentos diferentes de formas diferentes. Balon Greyjoy, por outro lado, está morto nos livros, vivo na série. Seus irmãos Euron Olho de Corvo e Victarion ainda não foram introduzidos (será que eles irão aparecer? Não estou dizendo nada). Enquanto isso Jhiqui, Aggo, Jhogo, Jeyne Poole, Dalla (e seu filho) e sua irmã Val, Princesa Arianne Martell, Príncipe Quentyn Martell, Willas Tyrell, Ser Garlan o Gallant, Senhor Wyman Manderly, o Cabeça Raspada, a Graça Verde, Ben Plumm Mulato, o Príncipe Esfarrapado, Bela Meris, Barbassangrenta, Griff e Jovem Griff, e muitos mais que nunca fizeram parte da serie, ainda permanecem personagens nos livros. Vários são personagens com ponto de vista, e mesmo aqueles que não são podem ter papéis importantes na história por vir nos Ventos de Inverno ou Um Sonho da Primavera.

GAME OF THRONES é a série de televisão mais popular do mundo agora. A mais pirateada também. Ela acaba de ganhar um número recorde de Prêmios Emmy, incluindo o prêmio final, para o melhor drama na televisão. É uma produção incrível com um incrível elenco e equipe.

VENTOS DE INVERNO deverá ser muito bom também, quando sair. Tão bom quando eu for capaz de fazer, de qualquer maneira.

O que me leva há um longo tempo dizendo: “Quantos filhos Scarlett O’Hara teve?”

Aproveitem a série. Aproveitem os livros.

Enquanto isso, vou continuar escrevendo. Um capítulo de cada vez. Uma página de cada vez. Uma palavra de cada vez. Isso é tudo o que sei fazer.

((E sim, esta é a minha última Cliff’s Note* do dia. Vocês todos podem ir para a cama agora)).


*Martin fez uma série de posts durante a madrugada deste sábado, no que ele chama de formatos de sumários do Cliff’s Note. Ele havia feito um super post com todos os temas dos seus ‘melhores dos tempos e piores dos tempos’, mas o Live Journal perdeu todo o conteúdo e ele teve que reescrever tudo de novo, e o fez em tópicos separados. O restante você pode conferir por lá.

A sexta temporada de Game of Thrones estreia em abril. Em breve a HBO anunciará sua data oficial de estreia e no começo do ano costumam surgir os trailers e o material promocional.

CCXP 2015 | Evangeline Lilly se emociona com releitura de seu livro feito por fã mirim

A estrela de “Lost“, “O Hobbit” e “Homem-Formiga” veio ao Brasil para promover o lançamento de seu primeiro livro “Os Molambolengos” pela Editora Aleph. O livro é voltado tanto para o público infanto-juvenil, quanto para adultos, possuindo visualmente com uma estética sombria semelhante a “Coraline“, de Neil Gaiman. O livro conta a estória de Selma, uma garotinha mimada que encontra “Os Molambolengos”, marionetes que ensinam que nem tudo na vida vai ser do jeito que você quiser.

Evangeline admite sua antiga paixão pela escrita, embora seus trabalhos mais notáveis sejam cinematográficos. “Eu chegava em casa das filmagens de “Homem-Formiga” e ia escrever, já virei noites acordada, diz a atriz.

Tivemos acesso a um curto documentário com o ilustrador Johnny Fraser-Allen, sobre sua experiência de ilustrar o livro de Evangeline. “A estória não tem criaturas descritas, o que ilimita na hora de criar“.

A atriz escolheu pessoas a dedo para fazerem as perguntas, dando abraços, ganhando flores e beijos. Dentre os escolhidos, a atriz convidou uma criança ao palco para reler sua parte favorito do livro em português, com lágrimas no olhos. Foi emocionante.

A atriz estará na CCXP durante os quatro dias do evento.

Os Molambolengos” já estão a venda nas melhores livrarias.

CCXP – Comic Con Experience 2015 | Confira Alguns dos Convidados Confirmados No Maior Evento Geek da America Latina

Sem título 1hDezembro está chegando e os nerds já estão com os nervos a flor da pele para para renascer em um dos maiores eventos geeks do país. De 3 a 6 de dezembro acontecerá a Comic Con Experience, que trará grandes nomes da TV e do Cinema e importantes nomes do mundo dos quadrinhos, como Jim Lee, ilustrador da DC Comics, (Liga da Justiça; Superman: Pelo Amanhã; Batman & Robin, Batman: Silêncio), Kevin Maguire (Batman Confidential; Capitão America; Liga da Justiça e X-Men), Mauricio de Sousa (Turma da Mônica) entre outros. Frank Miller (Sin City; 300; Batman: Ano Um) também estará presente na CCXP, na sua primeira vinda ao Brasil para promover Cavaleiro das Trevas III: The Master Race que será lançado dia 25 de novembro nos Estados Unidos e chegará ao Brasil no início de 2016 pela Panini Comics Brasil.

Entre outros nomes temos também Evangeline Lilly, estrelou nos dois últimos filmes da trilogia “O Hobbit”, de Peter Jackson como a elfa Tauriel, como Kate Austen na série “Lost” e  Hope Van Dyne na última produção da Marvel “Homem-Formiga”. Além de atriz, Evangeline também é escritora e estará na CCXP para divulgar seu primeiro livro “Os Molambolengos” que será lançado no Brasil pela Editora Aleph.

Sem título 1h

Alfonso Herrera, Aml Ameen e Jamie Clayton da série Sense8 estarão presente na segunda edição do evento. Krysten Ritter (Breaking Bad) estará presente presente no dia 4 (sexta-feira), no painel sobre Jessica Jones, nova série em parceria com a Marvel, do Netflix. Misha Collins estará nos dias 5 e 6 (sábado e domingo) para fotos e autógrafos. O ator é mais conhecido por seu papel em Supernatural como o anjo Castiel, Dmitri Krushnic em Plantão Médico (ER) e 24 Horas. No quadro de Cinema e TV também teremos Steve Cardenas, Rocky de Santos, o Ranger Vermelho da adaptação “Power Rangers: O Filme”  (2015) que estará presente em todos os dias do evento. John Rhys-Davies, o anão Gimli da trilogia de Peter Jackson “O Senhor dos Anéis” estará presente para fotos e autógrafos. Gerard Way, ex-vocalista do My Chemical Romance e roteirista dos quadrinhos “Umbrella Academy” estará no estande da Editora Devir nos dias 4, 5 e 6 de dezembro para fotos, autógrafos e divulgar a “Deluxe Edition” de Umbrella Academy Suite do Apocalipse. O cantor e roteirista foi vencedor do Prêmio Eisner de “melhor minissérie” em 2008.

O Máquina Nerd fará cobertura nos dias 3 e 4 de Dezembro, não deixe de nos acompanhar.

A CCXP – Comic Con Experience 2015 acontece de 3 a 6 de dezembro no São Paulo Expo, antigo Expo Imigrantes, próximo à estação Jabaquara do Metrô, com conteúdos para fãs de quadrinhos, cinema, programas de TV, desenhos animados e outras áreas da cultura pop. Mais de 120 mil pessoas são esperadas nos quatro dias. Os ingressos de sábado, domingo e os pacotes de 4 dias já estão esgotados, mas ainda é possível adquirir ingressos para quinta, sexta e Full Experience. Para saber mais sobre o maior evento de cultura pop do país, acesse www.ccxp.com.br

compra1

 

 

 

Editora Aleph | Star Wars: Marcas da Guerra

Star Wars: Marcas da Guerra foi publicado no começo do mês passado no mercado internacional com o título de Aftermath, e causou uma grande comoção no cenário literário. Uma grande parte dessa comoção deve-se ao fato de que fãs mais antigos do Universo Expandido da série se uniram para organizar uma espécie de boicote ao novo UE instituído pela Disney, através de uma série de resenhas negativas em sites como Amazon. Uma outra parcela de detratores da obra, acreditem, reclama da inclusão de personagens homossexuais na história.

No Brasil, o livro será lançado em dezembro, dias antes da estreia de Star Wars: O Despertar da Força nos cinemas.

Marcas da Guerra tem sido anunciado como uma espécie de prelúdio para o novo filme da franquia, mas, na realidade, ele faz parte de uma série de lançamentos que irão fazer essa ponte entre O Retorno de Jedi e o Episódio VII. Esse livro em si funciona como uma espécie de ponto de partida para várias subtramas que, provavelmente, serão exploradas em outras mídias da franquia, além de trazer uma aventura bem leve e divertida

O livro tem início seis meses após a batalha na lua de Endor, onde a Aliança Rebelde destruiu a segunda Estrela da Morte e o Imperador Palpatine foi morto, assim como o Lord Sith Darth Vader. Agora, a Nova República busca a melhor forma de instaurar a paz na galáxia e acabar com o caos causado pela queda dos sistema de governo vigente. No entanto, o Império está longe de estar acabado, e fará de tudo para reconquistar o seu poder perdido. Ciente disso, o Capitão Wedge Antilles parte em missão aos planetas do Anel Exterior em busca de focos de resistência imperial. Ele, porém, não esperava se deparar com uma grande reunião dos principais líderes imperiais no planeta Akiva. O piloto é, então, capturado, mas sua mensagem de aviso é interceptada pela também piloto da Aliança Rebelde, Norra Wexley, que voltava à Akiva para rever o seu filho.

Temmin, o filho de Norra, tem bons conhecimentos em robótica e administra uma loja de peças contrabandeadas. Ele, no entanto, não aceita o fato de sua mãe tê-lo abandonado para se unir à causa rebelde. Além deles, também conhecemos a caçadora de recompensas Jas Emari, cuja missão é capturar ou matar os líderes imperiais reunidos no planeta; e o ex-oficial imperial Sinjir Rath Velus, desertor após a Batalha de Endor, mais ainda muito confuso sobre o seu lugar na nova ordem que se apresenta. Os quatro, com a ajuda de Mr. Bones, o dróide psicopata de Temmin, terão que trabalhar juntos para salvar o Capitão Antilles, capturar os líderes imperiais e impedir que os últimos remanescentes do Império se unam em uma frente comum.

Do lado do Império, o destaque vai para a Almirante Rae Sloane (personagem que também aparece no livro Um Novo Amanhecer), a oficial de mais alto ranking presente na reunião. Na realidade, foi ideia dela que esse encontro com as principais lideranças imperiais fosse realizado para decidir a melhor forma de retomar o poder, mas ela não imaginava o quão difícil seria lidar com os outros imperiais, principalmente o novo autointitulado Grão-Moff Pandion. O grande trunfo da narrativa do ponto de vista da Almirante Sloane é ver que nem todo seguidor do Império é exatamente um vilão.

O arco de Akiva tem um clima bastante parecido com os primeiros filmes, cheios de perseguições de TIE fighters e speeders bikes, contados de uma forma que te fazem imaginar toda a ação na tela do cinema. Além da trama principal, o livro é cheio de interlúdios mostrando a atual situação de diversos planetas mais conhecidos, como Tattooine, Coruscant, Naboo, Jakku, e como citei no começo da resenha, jogando ganchos que podem se tornar novas aventuras a serem exploradas no futuro. As mais interessantes desses interlúdios são: o de Han Solo e Chewbacca partindo em uma missão para libertar um planeta do domínio imperial; um grupo misterioso conhecido como Acólitos do Além compra um sabre de luz que acredita-se ser o usado por Darth Vader. Acredito que alguns fãs mais dedicados da franquia possam identificar bem mais easter eggs do que aqueles que eu consegui, uma vez que o livro é cheio de pequenas referências.

Editora Aleph | Cyberstorm, Sci fi de Matthew Mather

Reconhecida por publicar clássicos da ficção científica como Arthur C.Clarke, Isaac Asimov e Philip K. Dick, em 2015 a editora Aleph passou a apostar também em escritores contemporâneos do gênero, como David S. Goyer, autor de Sombras do Paraíso, e agora Matthew Mather, autor deCyberstorm.
Originalmente auto publicada na Amazon, a obra, com enredo bem construído, logo se tornou umbest-seller. Graças ao seu sucesso, a 20th Century FOX já adquiriu os direitos de adaptação para os cinemas.
“O verossímil cenário de pesadelo desta história me deixa aterrorizado.” – Jeremy Bray, Global Geek News

A trama se passa em meio a uma forte tensão política internacional, quando os Estados Unidos sofrem um grande ataque cibernético: todos os meios de comunicação começam a falhar. Ao mesmo tempo, uma forte tempestade de neve assola a cidade de Nova York, e uma possível epidemia de gripe aviária parece se aproximar. Presos na cidade e quase sem contato com o resto do mundo, os moradores de repente se veem em meio a um cenário apocalíptico. Enquanto correm rumores e especulações são feitas sobre a origem desses ataques, o protagonista Mike Mitchell se concentra em questões que para ele são mais urgentes. A crise o atingiu em um momento crítico de sua vida, complicando os já confusos problemas pessoais e financeiros. Agora, sua prioridade é manter a família unida e viva no crescente caos que se forma a sua volta.

Com um viés bastante realista e um cenário assustador, Cyberstorm apresenta as possibilidades e consequências de um ataque cibernético bastante realista. Karic Allega, major de segurança cibernética da Marinha dos Estados Unidos, elogiou a obra, que considera um exemplo de como a nossa transição para uma infraestrutura interconectada tornou-se perigosa.
Especialista em segurança cibernética, Mather foi capaz de criar personagens autênticos, ao mesmo tempo em que emula todo o desespero causado pela falta de informações e segurança. Cyberstorm é um tecnothriller repleto de mistério e emoção, e faz refletir sobre a postura do homem contemporâneo perante as novas tecnologias. Além disso levanta, de forma oportuna, algumas questões: Como seria a sua vida se a Internet parasse de funcionar completamente? Ou pior, se a eletricidade deixasse de funcionar? Como a população vai reagir se perder toda a tecnologia existente? Os humanos iriam cooperar ou regredir a ponto de matar uns aos outros por comida?

Editora Aleph | Tropas Estelares, de Robert A. Heinlen.

A Aleph tem uma proposta muito cara ao coração dos nerds: a publicação de clássicos da ficção científica. E para completar a trinca de autores considerados mestres do gênero, a editora lança este mês no Brasil, Tropas Estelares, de Robert A. Heinlen.

Considerado uma das mentes mais brilhantes da ficção científica, Heinlen reforça o time já encabeçado por Isaac Asimov e Arthur C. Clarke. Os três escritores formam a chamada Era de Ouro da ficção científica, período que começa no final dos anos 1930 e vai até meados da década de 1940, época na qual essas publicações ganham mais atenção do público, principalmente por conta das analogias com as duas grandes guerras e a tendência a imaginar futuros distópicos e regimes opressores.

Tropas Estelares, vencedor do prêmio Hugo, é considerado um dos mais polêmicos livros da história do gênero. A obra foi adaptada para os cinemas em 1997 em um filme que também se tornou um clássico, com direção de Paul Verhoeven (RoboCop, Total Recall). O romance apresenta a Terra em um futuro não muito distante, vivendo sob uma federação na qual apenas soldados têm direito a voto. Em meio ao treinamento militar do jovem idealista Johhny Rico, tem início uma guerra contra aracnídeos alienígenas e os soldados são levados à maior batalha de suas vidas…

A edição traz ainda entrevista com Éric Picholle e Uugo Bellagamba, biógrafos de Heinlein, originalmente publicada no site actusf.com.

[CAPA] Tropas Estelares

Tropas Estelares é um dos mais polêmicos livros da história científica.Mostra a terra, em um futuro não muito distante, vivendo sob uma federação interplanetária, onde só exerce direito de voto quem serve às Forças Armadas. A história mostra o treinamento e preparação de jovens soldados (com um realismo impressionante) até que estoura a guerra contra os temíveis e misteriosos Insectóides, poderosos alienígenas aracnídeos que podem destruir o sonho terrestre de expansão no universo.

DarkSide Books | De Volta Para o Futuro

O futuro é agora! O livro oficial sobre os bastidores da Trilogia.

O futuro está de volta. Há 30 anos, Marty McFly fazia sua primeira viagem no tempo, a bordo de um DeLorean. Tinha início uma das maiores trilogias da história do cinema. De Volta Para o Futuro é um marco da cultura pop, conquistando gerações de fãs leais a cada reprise na tv ou nos relançamentos em todas as mídias possíveis, do vhs piratão aos modernos vídeos on demand. Para comemorar o 30o aniversário da saga que reinventou a ficção científica, com boas doses de humor e aventura, a DarkSide Books tem o prazer de anunciar mais um lançamento imperdível para qualquer geek que se preze: De Volta Para o Futuro: We Don’t Need Roads – Os Bastidores da Trilogia.

O livro de Caseen Gaines é o documento mais completo sobre a trilogia De Volta Para o Futuro, além de ser uma verdadeira aula sobre cinema. Para conseguir reunir informações exclusivas, muitas daquelas que nem o mais apaixonado dos fãs conhecia direito, o autor levou vinte meses de pesquisa e conduziu mais de quinhentas horas de entrevistas com equipe técnica, elenco e fãs. O diretor Robert Zemeckis, o produtor e corroteirista, Bob Gale, o insubstituível Christopher Lloyd (Dr. Emmet Brown) e até mesmo Huey Lewis, autor de “Power of Love”, canção-tema do filme de estreia, relembram, com detalhes, como a saga ganhou vida. Críticos de cinema, documentaristas e fãs dedicados também ajudaram a enriquecer o conteúdo do livro.

Entre as muitas curiosidades desvendadas por Caseen Gaines estão os verdadeiros motivos que levaram Zemeckis a demitir Eric Stoltz (Máscaras do Destino, Pulp Fiction), o primeiro ator a interpretar McFly diante das câmeras; por que De Volta Para o Futuro quase se chamou O Homem de Plutão; como Chuck Berry quase sabotou o solo de guitarra de Marty; ou ainda, por que a velocidade necessária para o DeLorean viajar no tempo é de 88 milhas por hora?

De Volta Para o Futuro: We Don’t Need Roads – Os Bastidores da Trilogia chega aos leitores brasileiros no tão esperado dia 21 de outubro de 2015. A data marca a viagem de McFly, sua namorada Lorraine e Dr. Brown ao século xxi no gancho do primeiro para o segundo filme da trilogia, e será celebrada no mundo inteiro como o   Enquanto esperamos que os skates voadores (hoverboards, para os íntimos) estejam disponíveis para o grande público, uma coisa é certa: o futuro já chegou!

Adicione o livro ao Skoob!

Veja mais no site da DarkSide.

Dica do Máquina | Hellraiser – Renascido do Inferno

Um livro tão assustador que nenhuma editora nacional teve a coragem de lançar. Mas não pense que você está a salvo. A DarkSide Books traz para o Brasil o tão aguardado Hellraiser – Renascido do Inferno, o romance que fez de Clive Barker uma lenda viva do terror.

O livro chega às livrarias em setembro de 2015, às vésperas do aniversário de 30 anos de seu lançamento internacional.

Escrito em 1986, Hellraiser – Renascido do Inferno apresentou ao público os demoníacos Cenobitas, personagens criados por Clive Barker que hoje figuram no seleto grupo de vilões ícones da cultura pop como Jason, Leatherface ou Darth Vader. Toda a perversidade desses torturadores eternos está presente em detalhes que estimulam a imaginação dos leitores e superam, de longe, o horror do cinema.

Clive Barker escreveu o romance Hellraiser – Renascido do Inferno (The HellboundHeart, no original) já com a intenção de adaptá-lo ao cinema. O cultuado filme de 1987 seria sua estreia na direção, e ele usou o livro para mostrar todo seu talento como contador de histórias a possíveis financiadores. Nas palavras do próprio Barker: “A única maneira foi escrever o romance com a intenção específica de filmá-lo. Foi a primeira e única vez que fiz assim, e deu resultado”.

De leitura rápida e devastadora, Hellraiser – Renascido do Inferno conta a história de um homem obcecado por prazeres pouco convencionais que é tragado para o inferno. Inspirado nas afinidades peculiares do autor, o sadomasoquismo é um tema constante em sua arte.

Se você é fã de Clive Barker, precisa ler sua primeira obra-prima. O mestre sombrio finalmente chegou à DarkSide para matar os desejos de todos os fãs, e prontos para comemorar os 30 anos de seu lançamento, Hellraiser

Renascido do Inferno chega às livrarias em duas edições. A Limited Edition (capa dura) e Classic Edition (com a revolucionária capa com book frame).

Eu vi o futuro do terror, seu nome é Clive Barker.” Stephen King, ao ler Hellraiser quando foi publicado, em 1986.

Adicione o livro ao Skoob.

Compre o livro.

Game of Thrones | George R. R. Martin fala sobre o fim da história!

SPOILERS ALERT

Todos nós nos perguntamos isso, como será que seria o final da história de Westeros, de Daenerys, de Tyrion e de todos os personagens da grande saga fantástica criada por George R. R. Martin.

O Jogo dos Tronos se iniciou à muitos anos atrás e já está seguindo para seu sexto livro, chamado de “Os Ventos do Inverno” que está em fase de produção pelo autor, por outro lado, na série de mega sucesso da HBO Game of Thrones, o enredo está chegando em sua sexta temporada. E com o decorrer das páginas e dos episódios, e com todo mistério, matança e tragédia que acontece no Mundo de Gelo e Fogo criado por Martin ficamos na dúvida sobre o que esperar em um desfecho definitivo.

martin

Em entrevista para o site Observer quando perguntado sobre o que acontece no final das suas crônicas George disse: “Eu ainda não escrevi ainda, então eu não sei, mas não (não será um final estilo apocalíptico). Essa certamente não é a minha intenção. Eu tenho um final em mente que será agridoce. Quero dizer, não é nenhuma novidade que Tolkien foi uma grande influência para todo o meu trabalho até aqui, e eu amo o jeito com que ele concluiu O Senhor dos Anéis. Acaba com uma vitória, mas é uma vitória agridoce. Frodo nunca mais é o mesmo, ele vai embora pelas Terras Imortais e o resto dos personagens continuam vivendo suas vidas. Foi um final que quando eu li, nos meus 13 anos de idade eu não entendi direito, mas que agora toda vez que eu leio eu consigo compreender o brilhantismo do segmento mais e mais. A única coisa que eu posso dizer sobre o final do Jogo dos Tronos é o tom que eu estarei aplicando na narrativa. E de qualquer maneira, isso vai ser julgado pelos leitores.”

Bem, não podemos esperar nada de ruim de um escritor como Martin, que nos surpreende de maneiras diferentes em todos os livros que publica. Eu tenho certeza que vai ser um final estasiante. Crônicas são reconhecidas pelos seus finais não convencionais, e o que eu não consigo parar de pensar é, quando ele se refere à “vitória” e à “Frodo” como analogia, há quem ele está pensando quando credita a vitória? E quem seria Frodo nessa metáfora?

Agora o que poderemos fazer é esperar mais algum tempo para ter respostas para nossas perguntas…